Noticias - GOTI - ONG

Ir para o conteúdo

Menu principal:


História de Maria José da Conceição (Zezinha)
História de Zezinha, destaque do bairro
Nascida na cidade em “Novo Linho – Alagoas”, porém não residiu lá. Logo mudou com a família para “Palmares – Pernambuco”.

A mesma relata que praticamente não teve infância, devido seus pais ter falecido e ser criada pela avó que criava quatorze netos a situação financeira era muito difícil passando muita necessidade onde aos oito anos de idade começou a trabalhar na cidade para ajudar na renda familiar. Realizou vários trabalhos fez de tudo um pouco desde Gari até limpando facas nos matadouros de gado. Sua única alegria era quando chovia pegava barro molhado e começava fazer fogão, panelinhas, bonecas esses eram seus brinquedos. “A minha infância foi uma infância adulta, aprendi a ser adulta na marra”.


Minha relação com a escola foi difícil eu estava com treze anos, quando uma amiga de minha avó convidou para escola pela primeira vez, ficava tudo muito longe era mais ou menos como daqui até Santo Amaro a escola mais próxima. Mesmo assim foi para a escola chegando lá todas as crianças tinham uniformes e eu não tinha uniforme minha avó não tinha condições de pagar o uniforme então passei a ser chamada na escola de “Mendiga me chamavam de bastarda devida não ter os pais presente” com isto, fiquei muito revoltada e magoada fiquei no máximo três meses na escola, não queria ir mais para a escola devida não ter o uniforme e material adequado para estudar, minha avó brigou muito comigo e me bateu.


Fui alfabetizada com vinte e sete anos de idade no colégio Parque Primavera já residindo em São Paulo, depois comecei a fazer faculdade de Assistente Social já concluído somente falta entregar o TCC para retirar o diploma.

Atualmente Maria José da conceição conhecida como (Zezinha) tem quarenta e três anos, casada tem duas filhas Gislaine de vinte e sete anos, Gabriela de vinte anos e uma filha de coração Laila de treze anos de idade. Trabalha atualmente como assessora do Vereador “Alfredinho” dentro da Câmera Municipal de São Paulo. Participa do projeto AFATEC ajudando os moradores com entrega de cestas básicas, brinquedos para as crianças mais carentes do bairro. Participou do projeto da Eletropaulo na distribuição de geladeiras novas para as famílias carentes do bairro.

Reside há trinta anos na Rua Miguel nº30 antigo 28, bairro Novo Pantanal, sua visão com o bairro melhorou muito do que era antes.

Destacou três pontos positivos, onde teve participação na conquista do bairro:

1º Oficialização do bairro – Dando nomes às ruas, CEP, pavimentando as ruas, iluminação etc…

2º UBS Pantanal

3º Rede hora certa – Atual córrego Azul.

Apontou também três pontos negativos do bairro:

1º Drogas provocando violência.

2º Pancadão ajudando na questão do tráfico, prostituição infantil, jovem em decadência devido o alto consumo de drogas.

3º A falta de comprometimento dos moradores em melhorar o bairro.

Maria José (Zezinha) relatou ter muito orgulho em residir no bairro. Sempre está em busca de melhorias para com a comunidade. Tirou de sua própria história de vida para lutar em buscas de seus sonhos.
 
Copyright 2015. All rights reserved.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal